Fleuma


E então ela chorava, como se fosse uma criança que perdera seu melhor brinquedo, aos soluços lamentava por achar que não significava nada para ele, e eu, no meu pleno egoísmo, nem se quer lembrava que ela existia, nem se quer imaginava como ela poderia estar se sentindo naquele momento, eu simplesmente não conseguia resistir a ele, aquele sentimento alastrador crescia dentro de mim, e eu o desejava, queria tê-lo, tê-lo só para mim, para mim somente, porém esqueci-me de notar que ela estava sofrendo, por amá-lo, por querê-lo também, não sabia o que estava fazendo, as sensações de impulso me controlavam, e eu a magoava, e ele se apaixonava, e minha consciência pesava, por ter a simples certeza de que ela chorava por causa dele, por causa de mim, por causa do novo relacionamento que surgira entre mim e aquele doce menino que ela tanto prestigiava, e o que eu poderia fazer? Agora eu estava presa a ele, e ele a mim. Talvez agora ela me odeie, por ele estar comigo, e eu com ele, e talvez ela até tente fingir que tudo vai bem, mas eu sei que não está, eu sei que não vai ficar, e ela vai continuar a chorar, porque além do mais, era ele o grande amor da vida dela...


Escrito por: Maylane 

Cacto



"Você é tudo pra mim!" dizia ele friamente sem pensar nas consequências daquelas palavras, ela simplesmente acreditava e se embriagava com as doces mentiras que ele oferecia, não se importando se estava sendo sincero ou não, talvez ela só quisesse tê-lo por perto, sentir o cheiro dele, aquele toque, viver um grande amor, admirar somente.
Mas ele nem se quer gostava dela, de fato, era só um passatempo, uma perda de tempo, e sem que ela percebesse, num piscar de olhos, ele já estava nos braços de outra, trocando mensagens, risos, abraços. E ela? Só pode chorar e observar seu amor cheio de falácia partir, logo ela, aquela menina sorridente e cheia de alegria, que agora se derramava às escondidas, relembrando os arrepios que sentira com as palavras suaves que eram jogadas em seus ouvidos, talvez tenha sido culpa dela, por se entregar tanto aos olhares que ele transmitia, talvez ela devesse ser mais forte, mais resistente, e então não sofreria, não se lamentaria, e quem sabe até poderia sorrir novamente, mas, não para esconder uma lágrima, sorriria de verdade, sorriria com prazer...


Escrito por: Maylane

Seguidores

Vale a pena o Click!

Tecnologia do Blogger.